Câncer de Pele - Não Melanoma

É o câncer mais frequente no Brasil e corresponde a 25% de todos os tumores malignos registrados no país.

Apresenta altos percentuais de cura, se for detectado precocemente. Entre os tumores de pele, o tipo não-melanoma é o de maior incidência e mais baixa mortalidade.

O câncer de pele é mais comum em pessoas com mais de 40 anos, sendo relativamente raro em crianças e negros, com exceção daqueles já portadores de doenças cutâneas anteriores. Pessoas de pele clara, sensível à ação dos raios solares, ou com doenças cutâneas prévias são as principais vítimas.

Como a pele - maior órgão do corpo humano - é heterogênea, o câncer de pele não-melanoma pode apresentar tumores de diferentes linhagens. Os mais frequentes são carcinoma basocelular, responsável por 70% dos diagnósticos, e o carcinoma epidermoide, representando 25% dos casos. O carcinoma basocelular, apesar de mais incidente, é também o menos agressivo.


Sintomas

Feridas na pele cuja cicatrização demore mais de quatro semanas, variação na cor de sinais pré-existentes, manchas que coçam, ardem, descamam ou sangram. Nesses casos, deve-se procurar o mais rápido possível o médico dermatologista (especialista em pele).


Prevenção

Os tumores de pele estão relacionados a alguns fatores de risco,principalmente, à exposição aos raios ultravioletas do sol. Pessoas que trabalhamsob exposição direta ao sol são mais vulneráveis ao câncer de pele não-melanoma. Evite exposição ao sol das 10h às 16h e utilize sempre filtros solares com fator de proteção 15 ou mais, além de chapéus, guarda-sol e óculos escuros.

Estimativa de novos casos: 113.850, sendo 53.410 homens e 60.440 mulheres (2010)


Fonte: INCA